Vet&Share

Alopecia em coelhos

Pertencentes à família dos leporídeos, os coelhos possuem características próprias da sua espécie que os diferenciam de outras do reino animal. São dóceis, possuem uma excelente visão, são sociáveis e expressam suas alegrias com pulos e giros, características estas que os tornam excelentes animais de companhia.

O manejo dos coelhos é exigente e observando com atenção os pormenores, tais como, habitat, comportamento, qualidade do alimento e dieta, é que se proporciona uma melhor qualidade de vida. As mudanças comportamentais apresentadas por algumas espécies quando estão enfermas são muito evidentes. Infelizmente, para os tutores, esse não é o caso dos coelhos, sendo difícil reconhecer um leporídeo doente. Isso ocorre devido a esses animais serem caçados na natureza.

Ou seja, por questão de sobrevivência, os coelhos tendem a esconder suas fraquezas, caso contrário, seriam vistos como alimentos fáceis, tornando-se alvos preferenciais de predadores.

Mesmo no ambiente domiciliar, os coelhos mantêm essa característica de tentar esconder suas fragilidades. Porém, com um pouco de atenção é possível reconhecer alguns indícios de que seu amigo precisa de auxílio.

Comumente os coelhos são afetados por doenças dermatológicas que são facilmente notadas pelos tutores, pois o sintoma mais evidente e característico deste problema é a ausência de pelos.

Quando uma patologia afeta o folículo piloso ou interrompe o seu crescimento pode levar à alopecia, que é caracterizada pela perda completa de pelos em determinada região do corpo.

Atenção, a alopecia não deve ser confundida com a troca sazonal de pelos que ocorre naturalmente em todos os coelhos e é caracterizada por uma queda significativa de pelos, ou até mesmo mechas, porém nunca ocasionando uma área completamente calva.

A alopecia ocorre independentemente da raça, idade ou sexo, podendo ser classificada basicamente em: alopecia congênita ou hereditária, alopecia adquirida e a alopecia fisiológica. Essa última ocorre, por exemplo, quando as fêmeas prenhas removem seu pelo para formar um ninho confortável para abrigar seus filhotes.

A de origem congênita é rara e ocorre devido à presença de genes recessivos que causam excesso de queratinização. Essa condição provoca o aumento do tamanho das glândulas sebáceas (hiperplasia sebácea) que consequentemente gera obstrução de oxigênio e suprimento nutricional para as células da pele, impedindo o desenvolvimento dos pelos.

Já a alopecia adquirida é mais comum e pode ter distintas etiologias, como: bacteriana, fúngica, presença de ectoparasitas, doenças endócrinas e deficiências nutricionais.

É notório que uma dieta equilibrada favorece o metabolismo, evita o desenvolvimento de doenças e promove bem-estar pet.

Já a má nutrição, além de causar alopecia, também ocasiona debilidade geral do organismo, tornando os coelhos mais susceptíveis a outras lesões cutâneas, nas quais poderão ocorrer infecções secundárias ocasionadas por outros microrganismos como bactérias, vírus e fungo.

O alimento Alcon Club Mini Coelho certifica uma dieta completa, fornecendo a quantidade ideal de nutrientes que a espécie necessita. Apresenta também elevado nível proteico, alta inclusão de fibra e zinco, que são elementos fundamentais na prevenção da alopecia de origem nutricional da espécie, já que a deficiência destes é a principal causa deste problema.

Para variar a dieta e evitar que a rotina alimentar se torne monótona, a Alcon dispõe dos produtos, o Alcon Club Alfafa Sticks, que além de ser fonte de fibra e vitamina C, promove o desgaste necessário dos dentes dos coelhos e o Alcon Club Roedores Frutas e Legumes, que promove a distração e o entretenimento enquanto os pets se alimentam.

No caso de coelhos que não recebem uma dieta equilibrada, o ideal é fornecer o Labcon Roevit, que se trata de um suplemento, indicado para correção de déficits vitamínicos.

É importante salientar que a identificação da causa ou origem da alopecia, deve ser investigada pelo médico-veterinário e ao observar qualquer anormalidade no seu coelho, busque auxílio de um profissional especializado.

Lembre-se, é responsabilidade do tutor nutrir e promover bem-estar ao pet. Por isso, ao adquirir um, zele pela sua vida e ofereça amor e carinho.

AUTOR:
CARLOS AUGUSTO NICOLINO
Mestre e Doutor em Patologia Veterinária

COLABORADORES:
EVA SCHNEIDER
Graduanda em Medicina Veterinária

MAX TERNERO CANGANI
Mestre em Microbiologia
Agropecuária- Doutor em Zootecnia